27.3 C
Manaus

DISQUE DENÚNCIA

DISQUE DENÚNCIA

27.3 C
Manaus

Conheça em Manaus algumas das principais etnias indígenas que habitam o Amazonas

Publicado em:

O Amazonas é o Estado mais sócio-diverso do país, concentrando em seu território a maior população indígena do Brasil. Na capital, é possível conhecer algumas das etnias mais importantes da nossa história e ter contato com a rica cultura deles.

Confira!

Tikunas

A Comunidade indígena Wotchimaücü (ACW), localizada no bairro Cidade de Deus na periferia de Manaus, foi fundada em 06 de junho de 2002 entre os Tikuna que vieram dos Municípios de Tabatinga e Benjamin Constant, e das aldeias Umariaçú II, Filadélfia, Porto Cordeirinho e Feijoal. A ACW tem o objetivo de fortalecer a cultura, educação diferenciada, saúde diferenciada, formação política, fabricação de artesanatos, visando a melhoria da qualidade de vida do povo Tikuna dentro do contexto urbano.

Sateré-Mawé

Atualmente existem cerca de 10 mil indígenas sateré-mawé que habitam no leste do estado do Amazonas, na divisa com o estado do Pará, compreendendo as regiões do Andirá-Marau, Koatá- Laranjal e Uaicurapá. Em Manaus, uma aldeia urbana foi formada em um terreno por trás do conjunto Santos Dumont, na Zona Oeste. No local, eles passaram a receber parentes vindos do município de Maués para estudar em Manaus e hoje construíram um centro para preservar a memória da cultura da etnia e de desenvolvimento do artesanato típico, como luvas para o ritual da tucandeira e o porantin, o remo sagrado dos saterés.

Barés

O território de Manaus foi tradicionalmente habitado por indígenas das etnias Barés e Tarumãs, mas com a chegada dos portugueses e a fixação deles no forte de São José da Barra do Rio Negro, em meados do século XVII, na região do atual Centro, a maioria dos integrantes dessas etnias se tornaram nômades e caminharam para regiões mais distantes, podendo ser encontrados seus descendentes na região do alto Rio Negro, em São Gabriel da Cachoeira. Manaus tinha tantos Barés que durante um tempo de sua história também foi chamada de Barelândia. Atualmente, uma comunidade que se identifica como descendentes dos Barés vive no chamado parque das Tribos, no bairro Tarumã, zona Oeste da Cidade, e lá lutam para se fixar na terra e recuperar a cultura desta etnia.

Waimiris-Atroaris

Os Waimiri Atroari, durante muito tempo, estiveram presentes no imaginário do povo brasileiro como um povo guerreiro, que enfrentava e matava a todos que tentavam entrar em seu território. Essa imagem contribuiu para que autoridades governamentais transferissem a incumbência das obras da rodovia BR 174 (Manaus-Boa Vista) ao Exército Brasileiro, que utilizou de forças militares repressivas para conter os indígenas. Esse enfrentamento culminou na quase extinção do povo kinja (autodenominação waimiri atroari). A interferência em suas terras ainda foi agravada devido a instalação de uma empresa mineradora e o alagamento de parte de seu território pela construção de uma hidrelétrica. Mas os Waimiri Atroari enfrentaram a situação, negociaram com os brancos e hoje têm assegurados os limites de sua terra, o vigor de sua cultura e o crescimento de sua gente. Desde que firmaram este pacto de não agressão com o Estado, a Fundação Nacional do Índio mantém com o apoio da Eletrobras o PWA, o Programa Waimiri-Atroari, que tem uma sede na avenida Mario Ipiranga Monteiro, no Parque 10, Zona Centro-Sul de Manaus, e tem a missão de disseminar a cultura kinja e defender os interesses deles junto às autoridades.

Mura

Os Mura ocupam vastas áreas no complexo hídrico dos rios Madeira, Amazonas e Purus. Vivem tanto em Terras Indígenas demarcadas, quanto nos centros urbanos regionais, como Manaus, Autazes e Borba. Desde as primeiras notícias do século XVII, são descritos como um povo navegante, de ampla mobilidade territorial e exímio conhecimento dos caminhos por entre igarapés, furos, ilhas e lagos. Em seu longo histórico de contato, sofreram diversos estigmas, massacres e perdas demográficas, linguísticas e culturais. Os que vivem em terras demarcadas em Autazes costumam comercializar seus produtos e artesanato no porto da Ceasa, no bairro Mauazinho, Zona Leste.

Deixe seu comentário

| Compartilhar

Matérias Relacionadas

Os homens querem casar e as mulheres quem sexo?  Peça 27 de Agosto, 19h - Teatro Manauara

Mantenha-se conectado

0FansLike
0FollowersFollow
91FollowersFollow
0SubscribersSubscribe